Condomínio Habitacional da Quinta da Estalagem

Ficha Técnica

Licenciamento e Projecto de Execução - Arranjos Exteriores
Local: Palhais - Barreiro
Ano: 2008
Área: 7260 m²


O presente trabalho o Projecto de Arranjos Exteriores do Loteamento / Condomínio Habitacional da Quinta da Estalagem, situada no concelho do Barreiro, freguesia de Palhais, requerido por GOGUI - Construções S.A..

A proposta de arquitectura paisagista incidiu sobre as áreas exteriores de recepção, estadia (zonas comuns e jardins privados) e enquadramento do empreendimento. Pretendeu-se com este projecto contribuir para a criação de um condomínio de excelência, com elevada qualidade cénica e ambiental, onde os seus espaços exteriores possam constituir uma imagem de referência na paisagem e no concelho.

A proposta preconizada incluiu a análise das aptidões e condicionantes do local de intervenção, uma vez que se trata de um local particularmente sensível do ponto de vista ecológico e paisagístico. Deste modo, e no sentido de permitir compatibilizar os diferentes usos previstos com as características e contingências do terreno, definiram-se um conjunto de estratégias que garantiram a qualidade estética e ambiental deste empreendimento, compatibilizado com a paisagem envolvente.

Tratando-se de um condomínio de natureza privada, pretendeu-se garantir com o projecto que os moradores possam apropriar-se verdadeiramente dos seus espaços exteriores, os quais, ao garantirem um conjunto de funções, permitem contribuir para reforçar a identidade do local, o sentido de pertença e o favorecimento das relações de vizinhança, através da criação de espaços de convívio e lazer. Para além deste aspectos, e dado que a própria paisagem constitui uma das componentes de maior interesse do conjunto, foi também objectivo deste projecto potenciar a própria a fruição da paisagem, e em simultâneo conferir-lhe modernidade, harmonizando-a com a arquitectura.

Em termos funcionais procurou-se estruturar o espaço atendendo por um lado à natureza, direcção e intensidade dos fluxos pedonais, e por outro, à vivência do espaço, no sentido de o dotar de uma estrutura funcional apoiada por equipamentos de recreio e lazer correspondentes às expectativas dos moradores, criando condições favoráveis quer à passagem, quer à estadia.

Atendendo aos objectivos traçados, e às condicionantes decorrentes do próprio espaço, criaram-se zonas de intervenção distintas que foram tratadas consoante a sua localização e função: recepção, zona de acesso ao condomínio e de enquadramento, zonas de recreio e lazer activo e passivo (piscina, solário, parque infantil, putting green), zonas de contemplação (varanda panorâmica e áreas de clareira) e jardins privados.

Voltar ao Topo